ISKCON Bahia
Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna
Acarya fundador: Sua Divina Graça A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

História do Vrata Pashankusha Ekadashi

História do Vrata Pashankusha Ekadashi ou Papankusha

Yudhisthira Maharaja disse: “Ó Madhusudana qual o nome do Ekadashi que ocorre durante a quinzena luminosa do mês de Ashvina, (setembro/outubro)? Por favor, seja misericordioso e conte-me algo sobre isso”.

O Senhor Supremo, Sri Krishna respondeu: “O rei, por favor, escute enquanto te explico as glórias desse Ekadashi – Pashankusha Ekadashi que remove todos os pecados. Nesse dia deve-se adorar a Deidade de Padmanabha, o Senhor de umbigo de lótus, segundo as regras e regulações. Assim fazendo, se consegue quaisquer prazeres celestiais que se desejem nesse mundo e afinal se obtém liberação. Simplesmente por oferecer humildes reverências ao Senhor Vishnu, que cavalga Garuda, se pode obter o mesmo mérito que se consegue por realizar grandes penitências durante longo tempo com os sentidos completamente controlados. Embora uma pessoa possa ter cometido ilimitados pecados, ainda assim poderá escapar do inferno apenas por prestar suas reverências ao Senhor Hari, que remove todos os pecados”.

“Os méritos obtidos por realizar peregrinação a tirthas desse planeta terráqueo também podem ser obtidos simplesmente por cantar os santos nomes do Senhor Visnu (1). Quem cantar esses sagrados nomes – como Rama, Vishnu, Janardana ou Krishna – especialmente no Ekadashi, nunca vê a morada de Yamaraja. Tampouco aquele que jejua no Pashankusha, que Me é muito querido, verá essa morada”.

“Tanto o Vaishnava que critica o Senhor Shiva quanto o Shivaista que Me critica certamente vão para o inferno. O mérito obtido por realizar mil sacrifícios de cavalo e cem sacrifícios Rajasuya não se iguala nem mesmo a décima sexta parte do mérito que uma pessoa obtém por jejuar no Ekadashi. Não existe mérito superior que se possa alcançar, que esse obtido por jejuar no Ekadashi. De fato, nada nos três mundos é tão agradável ou tão capaz de purificar-nos do pecado como o Ekadashi, o dia do Senhor do umbigo de lótus Padmanabha”.

“Ó rei, até que a pessoa observe um jejum do dia do Senhor Padmanabha, (chamado de Papankusha Ekadashi), ela permanece pecaminosa, e as reações de suas atividades pecaminosas passadas nunca a deixam. Não há mérito nos três mundos que se iguale ao mérito obtido por observar jejum nesse Ekadashi. Quem quer que o observe fielmente, nunca tem de ver a morte personificada, o Senhor Yamaraja. Quem deseja liberação, o paraíso, boa saúde, lindas mulheres, fortuna e grãos alimentícios deve simplesmente jejuar nesse Ekadashi. Ó rei nem o Ganges, Gaya, Kashi, nem Pushkara, nem mesmo o sagrado local de Kurukshetra, podem conceder tanto mérito como Papankusha Ekadashi”.

“Ó Yudhisthira, protetor da terra, após observar Ekadashi durante o dia, o devoto deve permanecer acordado pela noite adentro, pois assim fazendo facilmente obtém a morada do Senhor Supremo, Sri Vishnu. Dez gerações de antepassados por parte da mãe, dez por parte do pai e dez por parte da esposa são todos liberados por uma só vez observar o jejum neste Ekadashi. Todos esses antepassados obtém suas formas originais transcendentais, de quatro braços. Portanto vestes amarelas e lindas guirlandas cavalgam ao mundo espiritual no dorso de Garuda, o inimigo das serpentes. Essa é a benção que meu devoto recebe simplesmente por observar um Papankusha Ekadashi devidamente”.

“Ó melhor dos reis, que sejamos crianças, jovens ou velhos, jejuar no Papankusha Ekadashi livra de pecados e torna imune ao sofrimento de renascer infernalmente. Quem observa um jejum neste Ekadashi se torna livre de todos seus pecados e retorna a morada do Senhor Hari. Quem doar ouro, sementes de gergelim, terra fértil, vacas, grãos, água potável, um guarda-chuva ou par de calçados nesse mais santificado dos dias nunca terá de visitar a morada de Yamaraja, que sempre pune pecadores. Porém se um habitante da terra deixa de realizar atos espirituais, especialmente observar um jejum em dias sagrados como Ekadashi, é dito que sua respiração não é melhor que o bafo do fole do ferreiro”.

“Ó melhor dos reis, especialmente no Papankusha Ekadashi, mesmo os pobres devem primeiro tomar banho e depois dar alguma caridade e realizar outras atividades auspiciosas de acordo com sua habilidade”.

“Quem quer que realize sacrifícios ou construa lagoas públicas, locais de descanso, jardins ou casas não sofrem as punições de Yamaraja. De fato deve-se compreender que tal pessoa deve ter realizado tais atividades piedosas assim, em sua vida passada, caso tenha vida longa, saúde, riqueza, nascimento elevado ou esteja livre de todas as doenças. Mas uma pessoa que observa Papankusha Ekadashi vai para a morada do Senhor Supremo”.
O Senhor Krishna concluiu: “Portanto, ó santo Yudhishthira, narrei-lhes as glórias de Papankusha Ekadashi. Por favor, questione-Me mais se deseja ouvir ainda mais sobre Ekadashi”.

Assim terminam as glórias de Papankusha Ekadashi ou Ashvina-sukla Ekadashi, do Brahma Vaivarta Purana.

Nota 1 – Segundo o Srimad-Bhagavatam, Vishnu é uma encarnação purusha da expansão quádrupla do Senhor Sri Krishna.