ISKCON Bahia
Sociedade Internacional para a Consciência de Krishna
Acarya fundador: Sua Divina Graça A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupada

A Assessoria de Comunicação da ISKCON – Bahia.
Compartilha

Encontro do GBC Esclarece que o Krishna West é Parte da ISKCON

 
* No anexo imagens de Hridayananda Das Goswami e Sivarama Swami em Ujjain.

Por: Madhava Smullen para ISKCON News

26 de out de 2017

Boa comunicação leva a um relacionamento saudável, como a Comissão do Corpo Governamental da ISKCON e o guru da ISKCON Hridayananda Das Goswami viram este mês. 

O projeto Krishna West de Hridayananda Maharaja começou em 2013. Mas devido à saúde debilitada ele não tinha tido a chance de encontrar-se com todo o corpo do GBC sobre isto, até este dia 15 e 16 de outubro, durante os encontros de meio-termo deles em Ujjain, Índia.

Isto deixou que o GBC ouvisse à distância sobre as apresentações do Maharaja do Krishna West, nas quais, por sua própria admissão, ele foi algumas vezes “crítico da liderança da ISKCON.” Enquanto isso o GBC e alguns membros do público da ISKCON desenvolveram concepções errôneas sobre a ideologia e fidelidade do Krishna West.

O encontro recente entre Hridayananda Maharaja e onze membros do GBC – que foi uma interação positiva e amigável para todos – clareou muitas preocupações.

Krishna West é Parte da ISKCON, Não um Movimento Separado.

No encontro, e falando depois para o ISKCON News, entretanto, Maharaja esclareceu que o Krishna West é um projeto da ISKCON, desenhado para servir a ISKCON ajudando-a a se expandir e se desenvolver.

“Estou interessado em cumprir a visão de Prabhupada, que ele expressou para mim frequentemente, de que a ISKCON se tornasse uma grande religião mundial, e tivesse influência significante na história deste planeta”, disse ele.

Como Hridayananda Das Goswami visa fazer isto levou a outras preocupações.

O Krishna West Não Mina Srila Prabhupada

A ISKCON na Índia, diz Hridayananda Maharaja, thriving e cheia de devotos jovens e entusiásticos e de programas inspiradores. Mas no Ocidente, ele acha que as métricas para o sucesso da missão ocidental não são bons atualmente.

“Baseado em muitos anos de estudo das religiões mundiais e das próprias declarações de Prabhupada, estou pessoalmente convencido de que para que a ISKCON se torne uma força espiritual poderosa, relevante e atual no Mundo Ocidental, temos que alcançar um maior nível de integração na sociedade”, diz ele.

A integração pretendida envolveria apresentar a consciência de Krishna no Ocidente sem quaisquer do que Maharaja chama de suas armadilhas “etnicamente indianas”, tais como roupa, estilo de música e culinária.

Krishna West Não Concilia os “Princípios Fundamentais.”

Hridayananda Maharaja explica além disso para o ISKCON News que durante o período dos sessenta e setenta quando Srila Prabhupada estabeleceu seu movimento, os gurus indianos e os caminhos espirituais eram uma tendência dominante e as pessoas eram muito mais receptivas a este tipo de apresentação. De acordo com ele, este fenômeno acabou muito tempo atrás, então uma abordagem diferente é necessária agora. Maharaja aponta para a própria flexibilidade de Prabhupada ao apresentar o Gaudiya Vaishnavismo para o Mundo Ocidental como um precedente.

Maharaja cita o capítulo seis do Bhakti Rasamrita Sindhu, no qual Rupa Goswami cita os princípios fundamentais de Bhakti Yoga, que não podem ser mudados, acompanhados dos detalhes, que podem ser. Do ponto de vista de Maharaja, o Krishna West está seguindo estritamente os ensinamentos de Prabhupada por permanecer inconciliável nos princípios fundamentais, enquanto munda alguns detalhes.

O próprio Prabhupada nos urge, por exemplo, em seu significado ao Bhagavatam 4.8.54, para aceitarmos todos os riscos e fazermos todos os ajustes para que a consciência de Krishna seja conveniente para o povo ocidental.

Hridayananda Maharaja diz que o Krishna West apresenta a essência do programa de Srila Prabhupada – cantar Hare Krishna, explicar o Bhagavad-gita e dar prasada às pessoas – mas feito de um modo que “não requeira que as pessoas tornem-se etnicamente indianas.”

Enquanto já há vários programas na ISKCON que introduzem as pessoas à consciência de Krishna com uma apresentação ocidental, Maharaja diz que a diferença com o Krishna West é que ele não é uma “propaganda enganosa”. (bait and switch).

“Eu acredito que se usamos uma apresentação ocidental simplesmente como uma isca para atrair as pessoas e uma vez que elas são fisgadas na consciência de Krishna nós os indianizamos – no Ocidente – então nós nunca iremos realmente ter um movimento que muitas pessoas queiram entrar”, diz ele.

Respeito Mútuo e Apoio 

Enquanto Hridayananda Maharaja obviamente tem ideias fortes sobre o que é necessário para reviver a ISKCON no Mundo Ocidental, ele esclarece que em última instância ele quer apenas que a ISKCON se torne um “movimento relevante e poderoso” e apoia qualquer modo que possa ser feito.

“Será bom se o Krishna West puder ter um papel grande nisto”, diz ele. “Mas se outros devotos, com outro projeto, puderem alcançar isto, eu ficarei contente. Isto é apenas o melhor que eu posso fazer. Minha preocupação maior não é que meu projeto seja exitoso, mas que a ISKCON seja exitosa.”

Na declaração conjunta lançada após o encontro do GBC está claro que o GBC está querendo trabalhar com Hridayananda para este objetivo. “O Corpo do GBC e Hridayananda Das Goswami estão se esforçando conjuntamente em direção a uma melhor integração do Krishna West dentro da estratégia de pregação geral da ISKCON”, lê-se em um parágrafo. 

Ao fazer isto, Praghosa do GBC disse que houve um acordo geral de que quando atenderem aos centros da ISKCON, os defensores do Krishna West respeitariam as normas e os padrões daquele centro e que, igualmente, todos os devotos da ISKCON respeitariam as normas e padrões nos programas do Krishna West.

Um Entendimento Comum da Posição de Srila Prabhupada

Uma outra questão discutida no encontro foi o fato de Hridayananda Das Goswami ter anteriormente feito declarações que o GBC achou que poderiam ser interpretadas como minadoras da posição de Srila Prabhupada. Estas incluíam Maharaja dizendo que Srila Prabhupada era “condicionado culturalmente” para explicar algumas das declarações mais controversas de Prabhupada. 

Para retificar qualquer mau entendimento ou dúvida, a declaração conjunta asseverou um entendimento comum da posição de Prabhupada: “Como um maha-bhagavata liberado, Srila Prabhupada apresentou perfeitamente os ensinamentos do Senhor Krishna e dos acaryas anteriores” lê-se. “Declarações controversas ou paradoxais devem ser entendidas e explicadas de um modo que mostre veneração apropriada para com Srila Prabhupada e proteja sua dignidade como o Fundador-Acarya da ISKCON e um devoto puro do Senhor Krishna.

Esperando por um Futuro Positivo, Livre de Criticismo

Cimentando além disso a fé do GBC em Hridayananda Das Goswami, o Corpo do GBC também lhe pediu durante o encontro para servir como o co-GBC para o Brazil com Dhanvantari Swami. As qualificações de Hridayananda Maharaja para a posição incluem desenvolver o movimento no Brasil e trabalhar com os devotos lá por quarenta e três anos.

De tudo, Praghosa diz, o encontro foi exitoso em seus intentos de acalmar as tensões e clarificar as preocupações, particularmente a posição de Srila Prabhupada como um maha-bhagavata liberado. 

Enquanto o GBC e Maharaja continuam a buscar um caminho adiante mutuamente benéfico e encorajador, eles também pedem que a assembleia de devotos mantenha uma atitude respeitosa diante de todas as partes envolvidas e evitem o criticismo de ambos os lados da questão.

Notícia relacionada: Declaração Compartilhada do Corpo do GBC & SS Hridayananda Das Goswami.

Licença da tradução Creative Commons – Atribuição – Não Comercial – Compartilha Igual 4.0 Internacional.

Reprodução da tradução Livre CC, desde que atribuídas as autorias, fontes e não seja comercial. 

Fonte: Iskcon News

Tradução por David Britto, em 05 de dezembro de 2017.

Disponível no blog Notícias Vaisnavas Internacionaise no Facebook

  radhe

Seu servo

David Britto.

“Todas as Glórias as Devotas e Devotos Reunidos”
Salvador, 10 de Dezembro de 2017.

Deixe uma resposta